segunda-feira, 26 de julho de 2010

Lembranças do vôo do Jahú

Página gloriosa na história de São Paulo, o vôo do hidroavião Jahú em 1927 marcou a terceira travessia aérea do Atlântico Sul, a primeira da história sem escalas. A tripulação do Jahú era composta por João Ribeiro de Barros (piloto civil), 1o Tenente Aviador João Negrão (Força Pública de São Paulo), Capitão Newton Braga (piloto observador do Exército) e Vasco Cinquini (piloto-mecânico civil).

Inúmeras medalhas referentes ao feito foram cunhadas na época. Apresentamos abaixo algumas delas, sendo a que está no centro da foto um exemplar em bronze idêntico aos quatro originais em ouro entregues aos pilotos.
Segundo o BOLETIM GERAL da Força Pública No 181 de 20/08 referente as homenagens aos pilotos, "a medalha tem no verso as ephigies dos quatro bravos, encimadas com a legenda AOS DENODADOS TRIPULANTES DO JAHÚ e em baixo, o grande hydro avião em repouso nas águas da repreza de Santo Amaro".
Com exceção da medalha em alumínio (a direita), as medalhas abaixo foram esculpidas e cunhadas por Miguel Langone, o mesmo artista das famosas Medalhas de São Paulo.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Interessante também é destacar a participação destes nobres aviadores durante a Revolução de 1932 no GMAP - Grupo Misto de Aviação da Força Pública / 1o Grupo de Aviação Constitucionalista no qual o Capitão João Negrão foi Subcomandante.

Abaixo vemos o estandarte do GMAP e uma imagem com duas insígnias da aviação paulista: a menor (e mais antiga) usada nos anos 20/30 e a insígnia atual dos pilotos da Polícia Militar do Estado de São Paulo, cujo desenho foi baseado na insígnia usada pelo Capitão João Negrão (visível na última foto).

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Bibliografia:
"Polícia Militar - Asas e Glórias de São Paulo" José Canavó Filho e Edilberto de Oliveira Melo. Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1978; "Brasões e Bandeiras do Brasil" Clóvis Ribeiro com ilustrações de José Wasth Rodrigues, 1933.

4 comentários:

  1. Jahú...
    Hoje mesmo vi os pertences do "João" aqui no museu da cidade (Jaú, claro): mala de viagem com adesivos do mundo, gorro, berço, fotos e uma das hélices do Jahú!
    Vale lembrar: João Ribeiro de Barros projetou, também, dar a volta ao mundo num avião (o "Margarida", homenagem à mãe dele). Porém, quando partia, foi impedido pelas autoridades, uma vez que ocorria a Revolução de 1930. O avião foi preso.
    O "João" também participou de 32! Doou todas as medalhas e pertences valiosos à campanha do Ouro p/ o Bem de SP e ainda se alistou como voluntário! Percorreu o Vale do Paraíba À PÉ e COMBATEU naquela frente!
    Detalhe: morreu praticamente no ostracismo, na cidade natal. Seus restos mortais foram transladados para a Praça Siqueira Campos (Jaú), onde há um monumento.
    O Jahú, "graças a Deus", está no Museu da TAM em São Carlos (lamento, como jauense... Mas dou graças, como brasileiro e historiador).

    Salve aquele Jahú com H!
    Salve Comandante João Ribeiro de Barros!
    (estou à disposição, amigos! Rodrigo, PARABÉNS de novo!!! -- meio óbvio dar parabéns ao sr... RA!)
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_Ribeiro_de_Barros

    ResponderExcluir
  2. Prezado Ricardo!!

    Agradeço suas referências ao meu blog. Estou feliz por ter mais uma amigo, amante de nossa história. O seu noticiário excelente sobre a Revolução Constitucionalista de 32, o ponto alto da historiologia paulista.
    Fiquei orgulhoso na citação de meu livro Asas de Glórias de SP (parceira com Cel. Canavó), abordando assuntos da grande epopeia paulista e o voo do Jahu, que abriu para a navegção comercial no Atlântico Sul....
    Tive um irmão combatente em 32, seu nome Euvaldo de Oliveira Melo componente do Batalhão Arquideocesano que lutou na frente de Cunha.
    Fui diretor do Museu da PM que guarda preciosas recordações da arrancada paulista em prol da constituição brasileira.
    Uma curiosidade: a bombarda que vitimou o Gal. Marcondes Salgado está no museu paulista no ipirnaga.

    Saudações constitucionalistas!!

    ResponderExcluir
  3. Prezado Cel. Edilberto,

    Seu livro ASAS E GLÓRIAS DE SÃO PAULO é uma obra de referência na minha biblioteca! Mais uma vez agradeço a visita e fico muito honrado com os elogios. Obrigado!

    Ricardo

    ResponderExcluir
  4. Tenho um relógio de Prata onde no fundo tem estampado em alto relevo a imagem dos 4 herós do e do hidroavião Jahú. O relogio é fabricado na suissa estou procurando algum outro exemplar para comparação e se possivel avaliação

    ResponderExcluir