segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Mario Hilario Dallari 1912-1932

Photobucket
Nascido no dia 13 de Janeiro de 1912, filho do Sr. Alfredo Dallari e de Dona Maria Dallari, Mario Hilario Dallari foi incorporado ao Batalhão Marcílio Franco em São Paulo no dia 14 de Julho, dois dias depois seguiu para o Setor Sul. Pela sua inteligência, denodo e bravura foi subindo de posto até ocupar o cargo de 2o Tenente.

No dia 10 de setembro, na Capela dos Ferreiras em Capão Bonito, foi atingido por uma bala de fuzil e teve morte instantânea. Foi sepultado em Itapetininga e posteriormente seus despojos foram transladados para a sua terra natal, Serra Negra. No dia em que partiu para o front, enviou aos seus familiares uma carta em que prenunciava a sua própria morte:

"Bendita e adorada mãe, querido pai, inesquecíveis irmãos, sobrinhos e cunhados:
A Deus peço ter-vos sob sua bendita guarda. Talvez, entes do meu coração, ao chegar estas linhas em vossas mãos, já o meu corpo se corrompa na podridão esfalecedora dos vermes asquerosos, ou talvez ainda eu esteja me batendo pela causa sacrossanta de SÃO PAULO e do nosso amado BRASIL.

Se vos endereço esta carta, no dia de minha partida para o front, é para pedir-vos perdão pelos desgostos que vos tenho dado e dizer-vos que, se parti para a frente de batalha, não foi por falta de conselhos de meus queridos amigos AURÉLIO LEME DE ABREU, Dr. NELSON, ROQUE, dona AINDA e meu tio FERRÚCIO, que me pediram muita prudência para tomar essa decisão.

Parti, porque assim me ordenava o coração e assim exigem os meus brios de paulista e de brasileiro. Levo sobre o meu coração, a medalha que minha abençoada mãe me deu, quando deixei minha casa para servir o Exército. Se, por desventura, uma bala me ferir e eu tenha tempo, beijarei a imagem do Sagrado Coração de Jesus, da medalha, e pedirei perdão a meu pai, e o Sagrado Coração De Maria Santíssima, como sendo minha mãe.

Não culpem ninguém por este meu ato. Se eu morrer, sentir-me-ei honrado morrendo por SÃO PAULO e pelo BRASIL. Lembranças minhas aos padrinhos FELIPE e MARIA JOSÉ e aceitem um forte abraço do filho que vos pede a bênção, do irmão, tio e cunhado,

Mário
VIVA SÃO PAULO, VIVA O BRASIL.
VIVA A DEMOCRACIA.
SÃO PAULO, 13 de julho de 1932 "

A carta publicada acima chegou ao blog através do Cel. Mario Ventura, que recebeu o texto do Dr. Hélcio Dallari Júnior.

Um comentário:

  1. Prezado Ricardo_R32,
    Acabo de ter conhecimento da existência do seu blog. Parabéns pela iniciativa. Agradeço pela divulgação da carta de meu tio-avô. Apenas para que vc saiba, existem outras cartas, que deverão ser divulgadas em uma publicação própria na qual estou trabalhando. As cartas originais estão em meu poder. Assim como vc, também sou um apaixonado pela Revolução COnstitucionalista de 1932. Espero que possamos "trocar algumas figurinhas". Forte abraço. Hélcio de Abreu Dallari Júnior (hadallari@uol.com.br)

    ResponderExcluir