quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Mario Machado Bittencourt - O Herói da Ilha da Moela no Guarujá

"...É que os escudos onde eles traziam gravados o dístico PRO BRASILIA FIANT EXIMIA, eram os próprios corações!"
Major-Brigadeiro-do-Ar Lysias Augusto Rodrigues

Iniciamos o mês de Setembro, com uma história que na minha opinião é uma das mais fantásticas passagens da Revolução Constitucionalista: A bravura e a determinação de um jovem carioca que aos vinte e três anos encontrou a morte nas águas do Guarujá em setembro de 1932, lutando por São Paulo.

Algumas das fotos que ilustram este post são inéditas e nunca apareceram em nenhuma publicação. São imagens que congelaram no tempo dias heróicos dos aviadores que combateram em 1932, em passagens que em nada deixam a dever às dos ases da 1a e 2a Guerras Mundiais.

Porém, tão grande quanto estes Heróis é o descaso com o nosso passado.
Mostro também como é fácil dar as costas a um simples monumento em uma das mais badaladas praias do litoral paulista, aonde passam a cada verão milhares de pessoas que não fazem a menor idéia do que ocorreu logo alí na frente.

Não sou nem almejo ser escritor, porém espero estar a altura desta tarefa que é resumir em poucas linhas e com algumas imagens a história de Mario Machado Bittencourt.

Photobucket

Nascido na cidade do Rio de Janeiro a 7 de Julho de 1909, filho do Dr. Raul Machado Bittencourt e de Dona Cleonice de Mattos Bittencourt, Mario Machado seguindo os passos de seu pai formou-se pela Faculdade de Direito da Universidade do Rio de Janeiro em 1930 e com seu pai advogou durante pouquíssimo tempo.

Photobucket

Photobucket

Atendendo ao chamado da Lei e da Ordem em julho de 1932, Mario Machado tentou com outros constitucionalistas fazer no Rio de Janeiro com que a movimentação que ocorria em São Paulo ecoasse a ponto de iniciar naquela cidade o clamor revolucionário. Porém as forças de Getúlio Vargas logo usaram de truculência para calar as vozes que gritavam por mudanças.

Assim sendo, Mario Machado se reuniu com José Angelo Gomes Ribeiro (de quem foi companheiro durante os combates aéreos), Coronel Basílio Taborda e Lysias Rogrigues e fugiram de barco em direção a Santos para no dia 17 daquele mês já assumirem postos de comando no Exército Constitucionalista.

Photobucket

1o Grupo de Aviação Constitucionalista - Os Gaviões de Penacho.
Mario Machado, era o melhor observador das Forças Aéreas Paulistas. Civil, em pouco tempo obteve comissionamento no posto de 2o Tenente. Logo depois foi promovido, após combate com aviões adversários, a 1o Tenente. Foi elogiado repetidamente em boletins do QG da Capital.

Operou juntamente com os Gaviões de Penacho em todos os setores da luta: Faxina, Buri, Itapetininga, Campinas, Lorena, Uberaba, Barão de Ataliba...Em Mogi-Mirim participou dos raids que destruíram cinco aviões governistas, além de diversos embates aéreos nos moldes da 1a Guerra Mundial.

Photobucket

Na narrativa de Lysias Rodrigues, Mario Machado Bittencourt sempre é destacado pelo senso do dever e pelo extremo bom humor, sendo sem dúvida alguma um dos mais queridos do grupo. Abaixo um momento de descontração aonde Machado Bittencourt observa com um sorriso os amigos.

Photobucket

Mario Machado Bittencourt, preparando-se para o combate no Campo de Marte em São Paulo.

Photobucket

Na manhã do dia 24 de Setembro, um sábado (como não poderia deixar de ser, o dia da semana que sempre foi fatídico aos soldados paulistas) Mario Machado Bittencourt e José Angelo Gomes Ribeiro se apresentam no hangar "Capitão Chantre" no Campo de Marte para mais uma missão.

Ao meio dia e quinze minutos o Major Ivo ordena a partida da esquadrilha.
Pilotando o avião modelo Curtiss O1-E Falcon, batizado de KAVURÉ-Y Machado Bittencourt e Gomes Ribeiro partem em direção ao Porto de Santos, na penosa missão de bombardear a esquadra ali estacionada numa tentativa de romper o bloqueio que impossibilitava as nossas forças de obter armamentos e suprimentos de guerra.
Junto deles decolam Lysias Rodrigues e Abilio Pereira de Almeida no "Kyri-Kyri" e Motta Lima junto com Hugo Neves no "Waco Verde". Fariam o primeiro bombardeio e aterrariam no Campo da Praia Grande onde se reabasteceriam com bombas para novas investidas.

Não se sabe ao certo qual foi o motivo (fogo anti-aéreo ou um incêndio provocado por uma válvula), mas ao realizar o "piqué" para bombardear o Cruzador Rio Grande do Sul, o avião de Gomes Ribeiro e Bittencourt se tranformou em uma enorme bola de fogo e se espatifou ao lado da Ilha da Moela, em frente ao Guarujá. Estavam mortos os dois aviadores constitucionalistas. O Cruzador não foi atingido. Os corpos dos aviadores jamais foram encontrados e os destroços do avião fazem parte de um enorme mistério.

O Governador Pedro de Toledo que teve conhecimento do desastre de aviação em que pereceram José Angelo Gomes Ribeiro e o seu observador Machado Bittencourt, dirigiu ao General Klinger e ao Commandante Ivo Borges os seguintes telegramas de condolências:

"General Bertoldo Klinger chefe das Forças Constitucionalistas - Envio a v. exa., em meu nome e do governo do Estado de São Paulo, a expressão do mais profundo pesar pelo tragico desapparecimento dos gloriosos aviadores José Antonio Gomes Ribeiro e Mario Machado Bittencourt, exemplos admiraveis de devotamento á causa nacional da Constituição (a) Pedro de Toledo, governador do Estado".

"Major Ivo Borges, commandante da Aviação Constitucionalista - Queria acceitar e transmittir aos seus denodados companheiros de aviação constitucionalista a expressão do mais sentimento de pesar pelo tragico desapparecimento de José Angelo Gomes Ribeiro e Mario Machado Bittencourt, gloriosos defensores da civilização brasileira a cuja grande causa prestaram o inexcedivel concurso das suas azas immortaes, em exemplos de fulgurante civismo. Em meu nome pessoal e do governo do Estado de S. Paulo lamento a irreparavel perda, que enriquece o thesouro dos nossos sacrificios como tambem augmenta a divida de gratidão da patria para com aquelles que tão heroicamente e defendem, no campo da honra.
Pedro de Toledo, Governador do Estado.
(Folha da Manhã, segunda-feira, 26 de setembro de 1932)


Abaixo Gomes Ribeiro e Machado Bittencout com um oficial da aviação paulista, em frente ao KAVURÉ-Y.

Photobucket

O Curtiss Falcon KAVURÉ-Y. Note no lado direito da foto, Machado Bittencourt de costas conversando com outros aviadores em foto tirada na manhã do dia 24 de setembro.

Photobucket

Mario Machado Bittencourt e José Angelo Gomes Ribeiro.

Photobucket

A Ilha da Moela em foto tirada pelo autor do Blog em Dezembro de 2009.

Photobucket

Mario Machado Bittencourt era neto do Marechal Carlos Machado Bittencourt, que ficou famoso durante a Guerra de Canudos e perdeu a vida defendendo o Presidente Prudente de Moraes de um atentado em em 5 de novembro de 1897.

Por decreto de 5 de abril de 1940, "Herói de Guerra e Mártir do Dever, que sublimou as Virtudes Militares de Bravura e Coragem", Carlos Machado Bittencourt foi consagrado como Patrono do Serviço de Intendência do Exército Brasileiro, em "honra a seu espírito de organização que contribuiu para a vitória do Exército na guerra de Canudos."

Photobucket

Photobucket

A morte e a morte de Mario Machado Bittencourt
No ano de 1957, nas comemorações de 25 anos do aniversário da Revolução Constitucionalista a Sociedade de Veteranos de 1932 MMDC custeou e ergueu um monumento aos dois aviadores na Praia de Pitangueiras no Guarujá, ao lado do então Grande Hotel de La Plage (local do suicídio de Alberto Santos Dumont ocorrido dias antes da morte de Machado Bittencourt) com a Ilha da Moela ao fundo. Anualmente no dia 24 de setembro eram prestadas homenagens aos aviadores em belíssimas cerimônias que contavam com a participação de civis e militares, além de familiares dos dois aviadores.

Infelizmente os nossos governantes e nosso povo tem memória curta.
O tempo e a ação de vândalos apagaram daquele local qualquer informação sobre o monumento.
Resta hoje apenas uma estrutura de concreto mal pintada de branco. Me pergunto quantas pessoas sabem do que se trata essa estrutura? A resposta me parece óbvia e desoladora.

Photobucket

Um integrante do Regimento de Cavalaria 9 de Julho em sentinela ao lado do monumento. Setembro de 1957.

Photobucket

Setembro de 2010. Essa é a memória que preservamos: Um enorme branco.

Photobucket

Photobucket

Uma pequena montagem, mostrando na mesma imagem o ONTEM e o HOJE.
Para esta imagem se tornar realidade no AMANHÃ, juntamente com alguns interessados em preservar este monumento estamos iniciando uma movimentação no sentido de sua recuperação. Contamos também com o apoio do Coronel Ventura, da Sociedade Veteranos de 32 MMDC.

Ainda estamos no plano das idéias, mas se você quiser ajudar basta entrar em contato pelo email do blog que é o tudoporsp1932@gmail.com. Assim que o projeto for tomando forma, vou publicando os acontecimentos neste espaço.

Photobucket

Para saber mais:

-Gaviões de Penacho, A Lucta Aérea na Guerra Paulista de 1932. Lysias Rogrigues, 1934.
-Dois Bravos (Epopéa Paulista), Rio de Janeiro 1932.
-Excelente matéria da Universidade Federal de Juiz de Fora sobre a aviação constitucionalista.
-Neste link a história da tentativa de resgate dos destroços do Kavuré-Y, pelo mergulhador Gilmar Domingos de Oliveira, nos anos 80.

14 comentários:

  1. Belíssimo artigo, Ricardo.
    Parabéns!
    Poderia reproduzi-lo - parciamente - em meu Blog Notícias sobre Aviação?
    Grande abraço
    Jorge Tadeu

    ResponderExcluir
  2. Caro Della Rosa

    Contemplando as fotos que resgatou sobre o Combate Aeronaval da Moela, recordei com emoção o ano de 1984, quando aqui em Santos nos mobilizamos para resgatar os destroços do Curtiss Falcon abatido em 24/09/1932.
    Todos os que lutam pela preservação da nossa História estão gratos pela dedicação e empenho com que se bate pela causa que até hoje nos envolve.
    Gilmar Domingos de Oliveira
    Jornalista

    ResponderExcluir
  3. Prezado Jorge Tadeu,
    Pode reproduzir sim, peço apenas para que você cite a fonte e crie um link, OK?
    Um abraço,
    Ricardo

    ResponderExcluir
  4. Prezado Gilmar,

    Fico muito grato pela sua visita. Você é parte desta História!

    Um abraço,
    Ricardo

    ResponderExcluir
  5. Até quando assistiremos a esses descasos com a memória coletiva de um estado e de um país???
    Tô contigo nessa luta Ricardo para mantermos sempre acesa a chama da Gloriosa Epopéia Paulista de 1932!!!
    Abração guerreiro

    ResponderExcluir
  6. Parabens pela ingloria batalha de preservacao da memoria neste Pais de iletrados...
    Continue!
    marco a f galvao

    ResponderExcluir
  7. TA DE PARABENS PELO COMENTARIO. ME DEU ATÉ UMA DOR NO CORAÇÃO QUANDO VI O MONUMENTO TOTALMENTE BRANCO. MEU NOME É DAVI.

    ResponderExcluir
  8. Curiosamente, próximo dessa ilha, existia o Grande Hotel La Plage, onde suicidou-se Santos Dumont dois meses antes.
    Consta que teria mesmo ali visto combate aéreo, algo que supostamente agravou seu estado de crise depressiva...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo,reza a história d q um dos motivos q levaram Santos Dumont a cometer a própria morte foi o desgosto de ver sua invenção,o avião,ser usado como arma de guerra!!!

      Excluir
  9. Quero ajudar com o monumento! Estou imensamente TRISTE com a situação atual dele.

    Estamos juntos na luta por nossa história. Jamais serão esquecidos!

    Podem contar comigo!

    Abraços Paulistas!!!

    Facebook: https://www.facebook.com/diukrone

    Email: diukronebfb@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. Parábens pela iniciativa de levar adiante e preservar a memória dos valorosos soldados paulistas que deram a vida pelo bem de São Paulo. Um grande abraço! Non Dvcor Dvco! Meu nome é Jayme

    ResponderExcluir
  11. Gostaria de saber como podemos ajudar na restauração deste importante monumento da nossa história. O povo paulista não pode deixar cair no ostracismo seus heróis e sua história de luta por um Brasil melhor. Aguardo respostas grato

    ResponderExcluir
  12. Fico muito feliz , por ter na minha família dois Heros muito orgulho. Ass vitor Hugo Bittencourt Brito.

    ResponderExcluir