sábado, 16 de julho de 2011

Braçadeira da Congregação Mariana das Trincheiras

A Congregação Mariana das Trincheiras, por Attilio Brunacci.
A Congregação Mariana era uma organização católica de leigos que existia em todas as paróquias do Brasil e que permaneceu ativa até os meados da década de 1960. Na época da Revolução de 32, os congregados marianos da Paróquia do Divino Espírito Santo, da Bela Vista, ambos combatentes voluntários Caetano Toschi e Gil Machado (posteriormente ordenado padre jesuíta) criaram a "Congregação Mariana das Trincheiras" - anexa à Congregação Mariana Nossa Senhora do Bom Conselho e São José dessa mesma paróquia da Bela Vista. Nas vigias das madrugadas no campo de batalha, alguns congregados marianos combatentes, sem relógio, marcavam as duas horas do turno rezando o rosário cuja reza durava exatamente o tempo do turno.
Abaixo a braçadeira da Congregação Mariana das Trincheiras, vinda do acervo do Sr. José Carlos Monteiro Filho.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

3 comentários:

  1. Carlos Vasconcelos16 de julho de 2011 22:21

    Rico material como sempre, Ricardo!

    O engajamento foi, mesmo, perfeito, de toda a sociedade Paulista, em suas várias expressões.

    O mostrar desta história desbarata a "versão" de que a Revolução Constitucionalista teria sido um movimento exclusivamente das elites de São Paulo.

    Foi das elites, como foi dos operários. Foi dos católicos, como foi dos espíritas e dos protestantes. Foi dos militares, como foi, sobretudo, dos civis e civilistas. Foi dos doutores da cátedra, assim como foi dos estudantes.

    Foi, enfim, um movimento de todo o nosso estado de São Paulo.

    Que belo exemplo de união aqueles bravos nos legaram!

    Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  2. Salve Maria! Grande exemplo desses congregados marianos, mas, só uma correção, apesar do número de membros ser bem menor, ainda existem congregações marianas em todo o Brasil. A partir da década de 60 ela mudou o seu distintivo, talvez por isso a confusão por acharem que ela não mais existe. O distintivo bordado na braçadeira usou-se até 1954, a partir desta data adotou-se -por uma recomendação da Confederação Mundial das Congregações Marianas - um novo distintivo.

    Você pode encontrar mais informações no seguinte endereço:http://www.cncmb.org.br/?page_id=2

    Fique com Deus, salve Maria!

    ResponderExcluir