sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

A aviação militar paulista na Revolução de 1932

Trago hoje aos leitores do blog um pequeno resumo de minha autoria que foi escrito por conta do centenário da aviação militar paulista. Para quem não conhece o assunto é uma boa introdução. No final do texto coloco alguns links daqui do blog e alguns excelentes livros. Aproveito a oportunidade para desejar a todos um feliz natal e um 2014 repleto de realizações!!

PRO SÃO PAVLO FIANT EXIMIA
Ricardo Della Rosa, dezembro de 2013.

--------------------------------------

A aviação militar paulista na Revolução de 1932

"...é que os escudos onde eles traziam gravados o dístico PRO BRASILIA FIANT EXIMIA, eram os próprios corações!"
Major‐Brigadeiro‐do‐Ar Lysias Augusto Rodrigues


 photo foto01_zps1cf4d3c5.jpg

Antes de mais nada é preciso saber que a aviação de São Paulo organizada as pressas durante a revolução de 32, funcionou como todo o esforço de guerra paulista da época: Na base do improviso e pela boa vontade de quem se engajou pela causa. Com esse ponto em mente é possível entender o real significado do que fizeram os aviadores voluntários paulistas e brasileiros que voaram pela constitucionalização do Brasil. Após a revolução de 32 a aviação militar paulista seria extinta, retornando a ativa cinquenta e dois anos depois em 1984 na forma do Grupamento de Radiopatrulha Aérea, com a missão de auxiliar a Polícia Militar no combate ao crime em todo o Estado de São Paulo. Por outro lado podemos afirmar sem sombra de dúvida, que a aviação militar brasileira saiu com muitos ensinamentos na bagagem depois do ano de 1932, todos eles valiosos para a consolidação da futura Força Aérea Brasileira.

Uma das primeiras providências do Governo Federal após a tomada do poder em 1930, foi justamente o desmantelamento da aviação da Força Pública de São Paulo: Os aviões foram enviados para o Rio de Janeiro e seus mecânicos e pilotos espalhados por todo o Estado de São Paulo, designados para prestar serviços burocráticos – longe dos céus onde deveriam estar. Com isso, no início de julho de 1932, o Coronel Euclydes Figueiredo ao idealizar a arma aérea que seria sediada no Campo de Marte na zona norte da capital paulista, encontrou apenas dois aviões Potez TOE e dois Waco CSO. Com o passar dos dias outras aeronaves chegaram através de pilotos que aderiram a revolução (um Waco CSO C‐3 trazido pelo 10 Tenente Arthur da Motta Lima Filho e um Nieuport Delage pelo Capitão Adherbal da Costa Oliveira) e também pelas mãos de proprietários privados, que disponibilizaram diversos modelos tais como os De Havilland DH‐60 Moth, Morane‐Saulnier, Curtiss JN‐2, entre outros. Nos dias finais da revolução, os paulistas receberam três Curtiss 0‐1E Falcon vindos do Chile. Dentre todos estes diferentes aviões, apenas sete poderiam de fato ser usados como armas de guerra propriamente ditas. Foi com esse arsenal adaptado que a aviação paulista foi a luta. As instalações capturadas pelos paulistas no Campo de Marte foram inicialmente organizadas pelo Capitão da FP Ismael Torres Chistiano e pelo Capitão João Negrão. Em uma das primeiras missões, um Waco paulista sobrevoou o centro do Rio de Janeiro e despejou panfletos de propaganda paulista – retornando ao Campo de Marte sem sofrer qualquer hostilidade da aviação federal. Nos movimentos iniciais da revolução as missões eram apenas de reconhecimento de tropas e posições terrestres além do lançamento de folhetos de propaganda nas cidades inimigas. Essa curta fase inicial durou até a chegada de aviadores mais experientes, sendo que assumiram o comando geral da Aviação Constitucionalista o Major Ivo Borges, e comandando o 1º Grupo de Aviação de Caça, também conhecido como “Gaviões de Penacho”, o Major Lysias Rodrigues . Ambos excelentes aviadores militares, que desertaram das forças federais chegando a São Paulo clandestinamente em um barco de pesca.

O 1º GavCa foi dividido em duas esquadrilhas distintas comandadas pelo Capitão da FP Ismael Torres Christiano e pelo 1º Tenente José Ângelo Gomes Ribeiro. Inicialmente a aviação paulista com seus poucos recursos atuou na Frente Sul, deixando a capital paulista livre para várias investidas inimigas contra o Campo de Marte ‐ ações que visavam demonstrar força e abalar a moral da população paulistana. Além desses ataques na capital, a Aviação Naval operava livremente a partir de Vila Bela (Ilhabela) no litoral, engrossando o bloqueio naval, bombardeando posições em Santos e apoiando a ofensiva terrestre dos Fuzileiros Navais em Cunha. Além dos vôos diários de observação realizados pela aviação constitucionalista, no final de julho um ataque paulista foi levado a cabo pelo 1º Tenente Gomes Ribeiro partindo de Itapetininga e visando o campo de aviação federal em Faxina (atual Itapeva). Um avião estacionado no solo foi avariado com tiros de metralhadora pelo Potez do 1º Tenente. Deste mesmo campo de Itapetininga partiram diversos ataques contra tropas federais em solo, causando uma grande sensação de insegurança entre os soldados vindos do Sul em direção a São Paulo. Com o tempo, as forças federais fortaleceram os céus neste setor e no início de setembro a luta se intensificou.

O dia 8 de setembro ficará marcado na história como a data do primeiro combate aéreo na América Latina com um avião sendo abatido: Um Potez federal realizava uma missão de reconhecimento na região da cidade de Buri quando foi interceptado por uma esquadrilha dos “Gaviões de Penacho”. Após perseguição o Potez do Major Lysias acerta uma rajada no Potez federal e este acaba fazendo uma aterrisagem forçada que resulta na perda total da aeronave, porém sem clamar as vidas do piloto e do observador inimigo. No primeiro combate aéreo da América Latina, a aviação paulista foi a vencedora. Seria o único avião abatido em combate por outro avião durante a Revolução de 32.
“Dados os serviços que vêm prestando as Unidades Aéreas, postas à disposição deste Sector, este Comando chama a atenção dos demais elementos da tropa para o seu espírito de sacrifício, eficiência e bravura, concretizadas através de doze dias de ininterrupta atividade nas seguintes realizações:
a) reconehcimentos efetuados diariamente, muitas vezes em condições particularmente difíceis;
b) Bombardeios e ataques a metralhadora, de objetivos terrestres importantes, como sejam: Faxina, onde se acha o Q.G. da tropa inimiga; Buri, agrupamento da vanguarda invasora; regiões de Apiaí e Ribeira;
c) inutilização de dois aparelhos inimigos, um no terreno de Faxina e outro abatido do dia 8 p.p em pleno vôo, sobre a região de Buri.
Tudo isso vem colocando em situação de destaque na atual campanha, e os tem tornado dignos de imitação por parte dos demais elementos das Forças Constitucionalistas.
Basílio Taborda, CEL Comandante”
Após a ofensiva no Setor Sul, a aviação constitucionalista lançou ataques contra as forças federais operando a partir de Lorena e Cruzeiro, no Vale do Paraiba. Um audacioso ataque noturno contra a base de aviação federal em Resende não foi bem sucedido pois as bombas paulistas caíram longe do alvo. A aviação federal intensifica sua presença na região e consegue destruir no solo o Potez do Major Lysias. A superioridade de recursos federais força uma nova mudança e a aviação constitucionalista passa a operar da capital paulista e da cidade de Mogi‐Mirim no setor leste da luta, sendo neste local combatida ferozmente pela aviação inimiga deslocada para este setor. Em 18 de setembro, o Potez paulista pilotado pelo Major Lysias e tendo como observador o 1º Tenente Mario Machado Bittencourt é surpreendido por uma patrulha inimiga com três aeronaves e após troca de tiros e com a munição esgotada, Lysias se lança diretamente contra um dos aviões inimigos – que compreendendo a manobra consegue se evadir e prefere voltar para sua base, longe daquele piloto temerário.

Rapidamente os recursos paulistas vão acabando e as operações aéreas escasseando, por outro lado a aviação federal fecha o cerco contra o Estado de São Paulo e inicia uma campanha de bombardeio contra a cidade de Campinas. Muito embora visassesm apenas alvos militares ou estratégicos causaram pânico e morte de civis – criando uma enorme comoção na imprensa. Apesar de cada dia mais enfraquecida, a aviação paulista faz um enorme estrago ao realizar um ataque surpresa no campo de Mogi Mirim, destruíndo no solo dois Wacos novos em folha no dia 21 de setembro . Essa bem sucedida ação gerou ânimo para uma missão mais ambiciosa, mas que teria um desfecho fatal para os valentes aviadores constitucionalistas.

Mario Machado Bittencourt, era considerado o melhor observador das Forças Aéreas Paulistas. Civil, em pouco tempo obteve comissionamento no posto de 2o Tenente. Logo depois foi promovido, após combate com aviões adversários, a 1o Tenente. Foi elogiado repetidamente em boletins do QG da Capital. Operou juntamente com os Gaviões de Penacho, na maioria das vezes com o piloto José Angelo Gomes Ribeiro, em todos os setores da luta: Faxina, Buri, Itapetininga, Campinas, Lorena, Uberaba, Barão de Ataliba...Em Mogi‐Mirim participaram dos raids que destruíram cinco aviões governistas, além de diversos embates aéreos nos moldes da 1a Guerra Mundial. Ambos cariocas, aderiram ao movimento constitucionalista e vieram clandestinamente para São Paulo para lutar pela causa que acreditavam.

Na manhã do dia 24 de Setembro, um sábado (como não poderia deixar de ser, o dia da semana que sempre foi fatídico para os paulistas) Mario Machado Bittencourt e José Angelo Gomes Ribeiro se apresentam no hangar "Capitão Chantre" no Campo de Marte para mais uma missão. Ao meio dia e quinze minutos o Major Ivo ordena a partida da esquadrilha. Pilotando o avião modelo Curtiss O1‐E Falcon, batizado de KAVURÉ‐I, Machado Bittencourt e Gomes Ribeiro partem em direção ao Porto de Santos, na penosa missão de bombardear a esquadra ali estacionada numa tentativa de romper o bloqueio que impossibilitava as nossas forças de obter armamentos e suprimentos de guerra. Junto deles decolam Lysias Rodrigues e Abilio Pereira de Almeida no "Kyri‐Kyri" e Motta Lima junto com Hugo Neves no "Waco Verde". Fariam o primeiro bombardeio e aterrariam no Campo da Praia Grande onde se reabasteceriam com bombas para novas investidas. Não se sabe ao certo qual foi o motivo (fogo anti‐aéreo ou um incêndio provocado por uma válvula), mas ao realizar o "piqué" para bombardear o Cruzador Rio Grande do Sul, o avião de Gomes Ribeiro e Bittencourt se tranformou em uma enorme bola de fogo e se espatifou ao lado da Ilha da Moela, em frente ao Guarujá. Estavam mortos os dois aviadores constitucionalistas. O Cruzador não foi atingido. Os corpos dos aviadores jamais foram encontrados e os destroços do avião fazem parte de um enorme mistério. Essa seria a última operação de vulto da aviação paulista em 1932. O Governador Pedro de Toledo que teve conhecimento do desastre de aviação em que pereceram Gomes Ribeiro e Machado Bittencourt, dirigiu ao General Klinger e ao Commandante Ivo Borges os seguintes telegramas de condolências:
"General Bertoldo Klinger chefe das Forças Constitucionalistas ‐ Envio a v. exa., em meu nome e do governo do Estado de São Paulo, a expressão do mais profundo pesar pelo tragico desapparecimento dos gloriosos aviadores José Antonio Gomes Ribeiro e Mario Machado Bittencourt, exemplos admiraveis de devotamento á causa nacional da Constituição (a) Pedro de Toledo, Governador do Estado".
"Major Ivo Borges, commandante da Aviação Constitucionalista ‐ Queria acceitar e transmittir aos seus denodados companheiros de aviação constitucionalista a expressão do mais sentimento de pesar pelo tragico desapparecimento de José Angelo Gomes Ribeiro e Mario Machado Bittencourt, gloriosos defensores da civilização brasileira a cuja grande causa prestaram o inexcedivel concurso das suas azas immortaes, em exemplos de fulgurante civismo. Em meu nome pessoal e do governo do Estado de S. Paulo lamento a irreparavel perda, que enriquece o thesouro dos nossos sacrificios como tambem augmenta a divida de gratidão da patria para com aquelles que tão heroicamente e defendem, no campo da honra.
Pedro de Toledo, Governador do Estado.
PARA SABER MAIS:

Aeronaves usadas pela Aviação Paulista em 1932
Mario Machado Bittencourt - O Herói da Ilha da Moela no Guarujá
78 anos da morte de Mario Machado Bittencourt e José Angelo Gomes Ribeiro

“Gaviões de Penacho, a lucta aérea na Guerra Paulista de 32” – Lysias Augusto Rodrigues
“Polícia Militar, asas e glórias de São Paulo” – José Canavó Filho e Edilberto de Oliveira Melo
“Um Céu Cinzento – A história da aviação na Revolução de 1932” ‐ Carlos Carvalho Daróz

6 comentários:

  1. RICARDO FAZ UM TRABALHO ÚNICO E INÉDITO, O PRÓPRIO GOVERNO DO ESTADO NÃO TEM NADA NEM PALIDAMENTE PARECIDO COM ISSO. BOM NATAL E PARABÉNS

    ResponderExcluir
  2. A aviação paulista merecia um filme, hein Ricardo?

    ResponderExcluir
  3. Realmente o seu trabalho é primoroso. O senhor merece homenagens. Compus um hino em vossa honra, depois de me tornar sabedor de todos os seus feitos ao longo de várias décadas, por meio de publicações sobre sua Pessoa que localizei na imprensa:

    Hino a Ricardo Della Rosa

    Ilustre cidadão,
    Com olhos de anil,
    Com o teclado na mão,
    Peleja pelo passado do Brasil

    Estrofe:
    Della Rosa, Della Rosa,
    Poço de cultura,
    Della Rosa, Della Rosa,
    Ilustre e nobre criatura,

    Della Rosa é nosso herói
    Guardião da memória,
    A Glória Paulista ele constrói,
    Conhecedor da história

    Ostentando comendas,
    Seu nome se tornou lendas,
    No campo da música Della Rosa ousou,
    Quando no cover do Iron Maiden tocou,

    Oh Della Rosa, Della Rosa
    De nobre estirpe um Paulista
    De insignes antepassados
    É o pesadelo do getulista

    Como colecionador seus feitos
    Merecem um belo preito
    Terceiro Reich ele começou,
    No Wehrmacht Awards postou,
    Depois Império, FEB e Segunda Guerra,
    Com a mais bela coleção do Planeta Terra,
    Medalhas do bombeiro, medalhas da polícia,
    Mas, até que enfim ele parou, quando descobriu que em 32 havia uma milícia,

    Wikipedia, Nosso Século e Almanaque Abril,
    Nenhum é páreo para o rapaz dos olhos de anil
    Pois na hora de buscar conhecimento
    Tudo Por São Paulo é o melhor alento.

    ResponderExcluir
  4. Prezado anônimo: PALMAS DE PÉ!!!
    Fazia tempo que não me divertia tanto :-)

    ResponderExcluir
  5. Aí Ricky; essa Ode tá mais para "laranja quente". Fica esperto que logo logo vão acabar te convidando para fazer uma palestra sobre 32 na sauna. Abração. Alfredo.

    ResponderExcluir