terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Não sou culpado

Trago hoje um curioso e melancólico distintivo paulista, que não está catalogado em nenhum album ou coleção. Trata-se de uma bandeira paulista, com um laço preto de luto e a inscrição NÃO SOU CULPADO. O que eu posso supor é que se trata de um recado dizendo "Não sou culpado pela derrota, ou pela atual situação - porque lutei por São Paulo e fiz a minha parte". O laço preto já foi usado em uma alegoria, sutilmente tampando o mapa do Brasil da bandeira paulista.

Estas peças mostram o estado de espírito dos paulistas logo após a derrota no campo de batalha em outubro de 1932.

 photo DSC00936_zps5b53c600.jpg

 photo DSC02706.jpg

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Mais imagens da Revolução de 32

Fotografias são janelas para o passado. Através delas podemos espiar por um túnel que nos leva diretamente ao ano de 1932 para observar a história e seus personagens. Selecionei algumas fotografias individuais de combatentes paulistas para compartilhar com os leitores do blog. Creio que umas três ou quatro são inéditas. Todas capturam de forma sublime a participação de anônimos e seus comandantes durante a revolução.

Prontidão anti-aérea.

 photo DSC00903_zpsf2d1fece.jpg

Homenagem da Cavalaria da Força Pública nos funerais do General Marcondes Salgado.

 photo DSC00904_zpsc3774f7b.jpg

Soldado do 1o Batalhão de Caçadores depois de uma longa temporada nas trincheiras.

 photo DSC00906_zpsef990f2b.jpg

 photo DSC00909_zps0db7a4f3.jpg

 photo DSC00910_zpsfa784687.jpg

Irmãos gêmeos combatendo por São Paulo.

 photo DSC00911_zps0c536345.jpg

 photo DSC00914_zps118e67f2.jpg

Coronel Brasílio Taborda.

 photo DSC00916_zpsd7a60a19.jpg

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

A Revolução de 32 na Espanha

No final do ano passado, a revista espanhola "Historia y Vida Magazine" publicou uma matéria sobre a Revolução de 32 - provavelmente a primeira falando sobre a revolução na Europa! O autor da matéria é o advogado Javier García de Gabiola - pesquisador de história militar e que futuramente pretende abordar o tema mais detalhadamente em um livro.

Doy las gracias a Javier por la foto de mi abuelo, que ilustra la historia!

Neste link é possível baixar a matéria no formato PDF, cortesia da Historia y Vida Magazine.
(Published by Historia y Vida, number 535, october 2012. Author: Javier García de Gabiola)

 photo HYV_zps79e2a5af.jpg

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Miniaturas da FEB

Trago hoje um conjunto de miniaturas das medalhas da Força Expedicionária Brasileira. São peças extremamente pequenas mas muito bem feitas, para serem usadas em solenidades de gala pelos pracinhas condecorados durante a 2a Guerra Mundial. Além da Medalha de Campanha e da Medalha de Guerra, vemos a famosa Cruz de Combate na 1a e 2a classe - destinadas aos militares que se distinguiram em ação na Itália. A Cruz de Combate de 1ª Classe foi outorgada para militares que praticaram atos individuais de bravura e a de 2ª classe aos militares participantes de feitos excepcionais praticados em conjunto pela tropa.

Para saber mais sobre as medalhas militares brasileiras, acesse www.medalhasmilitaresdobrasil.com.br

 photo DSC00854_zpsfdbe6baa.jpg

 photo DSC00885_zps24da8676.jpg

Notem que no verso da medalha de 2a Classe (prateada) um erro na matriz da peça indica "1a CLASSE" quando o correto seria "2a CLASSE".

 photo DSC00884_zps35b0ad47.jpg

 photo DSC00887_zps27ef1f8a.jpg

 photo DSC00879_zps97fa8393.jpg

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Mais cartazes da Revolução de 32

Publiquei neste link cartazes de propaganda usados durante a revolução de 32. Estes cartazes foram a primeira grande manifestação da propaganda política e de guerra em solo brasileiro. Criados pelo departamento de propaganda do M.M.D.C. estas peças apelam diretamente para os brios do paulista. Abaixo mostro mais algumas propagandas que fazem parte da história iconográfica de São Paulo e da história da propaganda no Brasil.

Dois cartazes da movimentação política que antecedeu a atividade bélica em 1932: A "Chapa Única" que era uma união de partidos paulistas pela constituição.

 photo CART01_zps98baac9b.jpg

 photo CART02_zpsa6ad284b.jpg

Abaixo um cartaz veiculado pelo C.I.D.T. "Comissão Inspetora das Delegacias Técnicas" e mais uma propaganda do M.M.D.C.

 photo CART04_zps48aa3437.jpg

 photo image_zpsdf13074b.jpg

Cartaz do P.R.P. Partido Republicano Paulista.

 photo CART05_zpsf0d30b58.jpg

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Capacete Polícia Militar Anos 70-80

Seguindo adiante na história dos capacetes usados pelas tropas paulistas, trago hoje o modelo usado pela  Polícia Militar dos anos 70 a 80. Este é um modelo fabricado em fibra de madeira resinada, diferente do capacete da Força Pública fabricado em fibra de vidro apresentado anteriormente. Notem também a unificação do brasão usado no capacete - substituíndo o brasão do batalhão pelo da Polícia Militar. Este exemplar pertenceu ao Capitão PM Alberto M. Pantaleão e teve as letras FP alteradas para PM.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Abaixo foto de um capacete similar em uso pela Cavalaria da Polícia Militar em 1970.

Photobucket

A título de curiosidade, uma variação deste modelo: Capacete em fibra na cor branca com o brasão do Batalhão Tobias de Aguiar (Acervo CEL Paulo Adriano Telhada).

Photobucket

Photobucket

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Clemente Pereira, Batalhão Fernão Dias

Recebi algumas fotos belíssimas do Prof. Dr. Marcelo de Campos Pereira da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. Compartilho abaixo as fotografias e suas histórias.
Prezados senhores, envio fotos da participação de meu pai, Clemente Pereira, recém-formado pela Faculdade de Medicina de São Paulo, depois USP, na Revolução de 32. Toda minha família engajou-se, pela defesa dos ideais Contitucionalistas e de nosso Estado. Infelizmente, hoje, falta idealismo no país, um sentimento que poderia nos levar a pensar no coletivo em primeiro lugar. Lamentavelmente, prevalece entre nós um equivocado espírito de salve-se-quem-puder. Uma atitude que nos faz considerar fora de moda valores como patriotismo e nacionalismo, sempre necessários e sadios, desde que não confundidos com ufanismo, e essenciais para a união de qualquer país em torno de objetivos comuns, seja na guerra, seja na paz. Avaliem-se todos os movimentos de insurreição que fizeram história na história do Brasil, e nenhum supera o Movimento Constitucionalista de 1932, pelo conteúdo nacionalista e sentimento patriótico. Nenhum tem a elevação da Revolução Paulista contra a usurpação do poder discricionário do presidente Getúlio Vargas. Alguns podem até discordar, rebatendo que os assim denominados "heróis paulistas" foram inocentes úteis para a elite paulista, que não queria perder os privilégios ameaçados por Getúlio. Balela.
São Paulo é o escudo e a espada da segurança nacional!
Na foto abaixo, Clemente Pereira (a esq.) e Zeferino Vaz. Colegas de turma na FMUSP (1931) e grandes amigos. Recém-formados, serviram como médicos no Batalhão Fernão Dias em Cruzeiro. Anos mais tarde, o Prof. Zeferino fundaria a UNICAMP e a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Foi Diretor da FMVZ/USP de 1945 a 1947. Clemente Pereira foi um dos idealizadores do Instituto Biológico e lá seguiu carreira. Era Prof. Livre Docente de Parasitologia da FMVZ/USP .

Photobucket

Cidade de Cruzeiro. Clemente Pereira é o único de poncho. Recém-formado em Medicina, não teve a menor dúvida em trocar o microscópio pelo fuzil, no Batalhão Fernão Dias, para tentar devolver a liberdade à nossa terra.

Photobucket

Photobucket

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Brasão da USP por José Wasth Rodrigues

Hoje trago aos leitores do blog mais uma belíssima obra heráldica de José Wasth Rodrigues. O Brasão da Universidade de São Paulo foi instituído em 1934 e sua descrição heráldica segue abaixo. É interessante notar a semelhança entre a técnica empregada no desenho do brasão com esta alegoria mostrada aqui no blog - obras criadas mais ou menos no mesmo período pelo artista.
Em um escudo antigo o apóstolo São Paulo, sentado numa cátedra guarnecida de ouro encostada a um muro ameiado, acompanhado à direita pelo escudo do Estado de São Paulo e à esquerda pelo da Capital, ambos com seus timbres. O apóstolo de encarnação, vestido de vermelho e com o manto azul, empunha com a direita uma espada em riste e mantém com à esquerda um livro. A cátedra é firmada sobre dois degraus e estes sobre o chão em ponta. Tudo tem a sua cor. Timbre: esfera armilar sainte de ouro. Listão de vermelho com a divisa: “Scientia vinces” – Vencerás pela Ciência, em letras de prata. São Paulo, 12 – 1934. José Wasth Rodrigues inv, et del.

Photobucket

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Medalha do Centenário do Corpo de Bombeiros

Na data de hoje, completam-se 39 anos no terrível incêndio do Edifício Joelma. Para lembrar dos Heróis que enfrentam o fogo, a fumaça e a altura para salvar vidas, trago a Medalha do Centenário do Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo - criada pelo Decreto Estadual nº14730 de 12 de fevereiro de 1980 com o objetivo de galardoar civis, militares, policiais militares e instituições, que tenham contribuído para o melhor brilho da efeméride ou, de algum modo, prestado relevantes serviços para o Corpo de Bombeiros.

Photobucket

Photobucket

Photobucket

Photobucket